Esse filme de viagem no tempo vai explodir sua cabeça e te prender no sofá

Christopher Nolan entrega mais um filme com um roteiro complexo envolvendo assuntos científicos e difíceis de entender
Avatar de André Luiz
14/09/2023 às 15:00 | Atualizado há 7 meses
Esse filme de viagem no tempo vai explodir sua cabeça e te prender no sofá 1

Já fazem alguns anos que vivemos em uma escravidão coletiva  ao complexo industrial de super-heróis, mas claro que há exceções que, pelo menos por um momento, libertam nossas correntes. Se o filme vier vir de Christopher Nolan, não seria a primeira vez: filmes dele, como “A Origem“, “Interestelar” e “Dunkirk“, salvaram estúdios em suas épocas. Sua trilogia “Cavaleiro das Trevas” certamente salvou a parceria Warner Bros/DC – na verdade, possivelmente ele salvou isso um pouco demais, com cineastas da franquia desde então trabalhando em sua sombra. Mas hoje iremos falar de outro filme de Nolan, o último mais famoso dele: Tenet.

Assim como A Origem e Interestelar bugaram a mente de muitos – até hoje tem muitos que não entenderam os filmes –  Tenet também tenta isso, meio que seguindo a sombra do primeiro. Mas a verdade é que o filme “corre atrás” dos filmes anteriores de Nolan na proposta de forçar a intelectualidade do telespectador.

Tenet foi lançado em 2020, quase que reabrindo os cinemas após o ápice do Coronavírus. Idealmente apresentado em telas Imax de 70 milímetros, a proporção preferida e imponente de Nolan, com os rostos telegênicos de um elenco de superestrelas incipientes, maravilhosamente filmado em vários locais globais e girando em uma presunção elástica e curva do tempo (mais sobre isso mais tarde OU antes), o filme é inegavelmente agradável, mas sua grandiosidade vertiginosa só serve para destacar a fragilidade de sua suposta inteligência.

Em Tenet, o mundo como o conhecemos está ameaçado por uma tecnologia que pode inverter objetos. O protagonista sem nome de John David Washington é um agente da CIA que precisa descobrir a trama, junto com o colega Neil (Robert Pattinson). O oligarca russo e traficante de armas Sator (Kenneth Branagh) é o antagonista, e ele tem sua esposa Kat (Elizabeth Debicki) sob seu polegar abusivo.

Esse filme de viagem no tempo vai explodir sua cabeça e te prender no sofá 4

É um filme de ação veloz com um conceito bacana. É bem executado em algumas áreas, mas fica aquém em outras. Eu gostei muito de Tenet, mas acho as falhas mais gritantes quanto mais penso sobre isso.

A sequência de abertura, com um ataque à ópera nacional ucraniana, é um cenário para se ver. A tensão é apertada e não se solta. Nolan te joga direto na ação, e cabe ao espectador entender o que acontece, eu assistir a primeira vez em casa e confesso que assistir três vezes os 98 minutos primeiros para pelo menos “entrar” no clima. De qualquer modo, assim como A Origem e Interestelar, é um filme que se beneficiará de uma segunda exibição.

Nolan é tão ambicioso que suas ambições às vezes atrapalham os personagens e o roteiro. O mesmo pode ser dito  de Interestelar – um filme que me deslumbrou com suas visões de espaço e tempo, mas me pareceu inventado e plano em sua abordagem dos personagens (apesar de algumas ótimas atuações de Matthew McConaughey).

Tenet pode parecer estéril às vezes, e eu gostaria que o filme se aprofundasse um pouco mais nas motivações e relacionamentos do personagem. As comparações com A Origem são muitas – e mesmo que esse movimento também tenha sido de alto conceito, ele conseguiu contar uma história mais pessoal. Tenet também tem um arco, mas não é tão pronunciado.

É revelador que o personagem de John David Washington seja simplesmente referido como “O Protagonista”. Ele é suave e o tipo certo de arrogancia – ele tem um alcance que ele consegue exibir – mas nunca conseguimos nos acomodar nele como um personagem como o filme avança. Em vez disso, é Robert Pattinson quem rouba a cena com seu carisma.

Esse filme de viagem no tempo vai explodir sua cabeça e te prender no sofá 5

Elizabeth Debicki faz o melhor com o que o roteiro lhe oferece, mas não é muito. Sua personagem é subutilizada e ela tem algumas falas que fazem você revirar os olhos. Ela deveria ser o núcleo emocional, mas parece que está ligada.

Kenneth Branagh é muito divertido de assistir como um traficante de armas russo, que quase consegue não se tornar um clichê completo. Não é que ele tenha qualidades redentoras – ele é um bastardo de classe A – mas Brannagh o torna implacável e calculista. No entanto, seu objetivo final é muito vago e o filme realmente não nos mostra o impacto que seu plano mestre teria. Isso dilui as apostas, e não há muito drama pessoal.

Para um filme com duração de duas horas e meia, passa surpreendentemente rápido. Talvez rápido demais. Há muitas partes móveis, o que o torna um filme que pode ser difícil de acompanhar. Não por qualquer complexidade temática, mas pelos meandros do conceito-inversão.

Grande parte do diálogo é expositivo e, às vezes, é apenas plano. O problema é que Nolan lida com (e provavelmente tem uma boa compreensão sobre) termos científicos complexos sobre tempo e espaço, mas ele tem que explicá-lo ao público de uma maneira que eles entendam. Dizem-nos muitas coisas, mas não nos mostram tanto. É nessa demonstração que Tenet consegue. Os efeitos – muitos deles práticos – são uma alegria de se ver. O efeito de inversão é algo que eu não tinha visto na tela antes, e a coreografia é surpreendente. Uma certa briga para trás é um dos pontos altos do filme. É tão bem realizado, e faz sua mente funcionar.

Ah, e os ternos são ótimos.

Cena de John David Washington usando terno caro no filme Tenet
“Se você quer parecer um bilionário não use um terno comprado em loja”

Na verdade, Tenet tem muitos destaques que tornam possível ignorar suas falhas. Mas é de Christopher Nolan que estamos falando aqui, e é por isso que minhas expectativas são tão altas.

Como um espetáculo visual e um filme de ação rápido e inteligente, Tenet funciona em quase todos os níveis. É uma pena que a trama seja bastante complicada e que a caracterização pudesse ter sido detalhada. Nós realmente não temos muito espaço para respirar à medida que o filme avança. Não é uma coisa ruim em si, mas aqui poderia ter se beneficiado se aprofundasse. As motivações dos personagens são superficiais, e o terceiro ato é prejudicado por uma reviravolta e uma batalha com inimigos sem rosto. Nolan sempre foi melhor em retratar conflitos interpessoais (como em The Prestige) do que batalhas massivas, tornando difícil de seguir.

Além disso, não estou amando a trilha sonora de Ludvig Göransson tanto quanto alguns, mesmo ele sendo sueco. Ele manipula sons com grande efeito, mas é um pouco avassalador. Nem sempre funciona em conjunto com o que está acontecendo na tela. Além disso, a mistura é muito alta e, se eu não tivesse legendas, teria dificuldade em ouvir o que os personagens estavam dizendo. Eu teria preferido algo um pouco mais sutil.

Em conclusão

Tenet é uma maravilha técnica – não há como contorná-la. Ele exibe cenários espetaculares, locações deslumbrantes, cinematografia soberba (cortesia de Hoyte van Hoytema) e coreografias de ação de próximo nível. No entanto, a trama é confusa e os personagens carecem de profundidade. Ele compartilha as falhas de A Origem (que eu gosto muito) e Interstellar (que gosto mais ainda), em que tem muita exposição. É um filme rápido, o que nem sempre é algo bom, devido a complexidade do enredo merecia um pouco mais de tempo.

A ambição e o domínio técnico de Nolan devem ser elogiados, mas há algo no filme que não o leva até o fim. É uma combinação de alguns diálogos ruins, uma dependência de MacGuffin, personagens planos, e um terceiro ato apressado. Isso não o torna um filme ruim – apenas não é o melhor de Nolan.

Onde assistir Tenet?

Tenet está disponível no HBO Max

Se você gostou do artigo, nos acompanhe no Google Notícias, Facebook, Twitter e Telegram para ter acesso imediato a tudo.
Avatar de André Luiz
Fundador e editor chefe da Tekimobile Midia. Além de empreender, trabalhou 20 anos com eletrônica e telecom até que decidiu se dedicar 100% na produção de conteúdo.
SUGESTÕES PARA VOCÊ