Entenda: WhatsApp já vende seus dados desde 2016

Entendam a polêmica em torno da nova politica de compartilhamento de dados do Facebook através do WhatsApp.
Avatar de André Luiz
11/01/2021 às 17:30 | Atualizado há 3 anos
WhatsApp GB é seguro

Desde que o Facebook adquiriu o WhatsApp em 2014, os usuários têm se perguntado e preocupados com a quantidade de dados que fluiriam entre as duas plataformas. Mas na semana passada houve um rebuliço na internet, em que o Facebook começou a pedir a autorização para compartilhar os dados de seus usuários. Mas a questão é: não há nada de novo.

Na realidade, essa nova notificação foi apenas um passo para aumentar a conscientização de que o Facebook já capta e compartilha seus dados desde 2016.

Na semana passada, o WhatsApp atualizou  seus termos de uso e política de privacidade, principalmente para expandir suas práticas em torno de como o WhatsApp usa os dados dos usuários, comercialmente. Um pop-up vem notificando os usuários de que, a partir de 8 de fevereiro, a política de privacidade do aplicativo mudará e eles devem aceitar os termos para continuar usando o aplicativo.

Entenda: WhatsApp já vende seus dados desde 2016 3

Como parte dessa atualização da política de privacidade, o WhatsApp também removeu uma passagem sobre a opção de não compartilhar determinados dados com o Facebook: “Se você é um usuário existente, você pode optar por não ter suas informações de conta do WhatsApp compartilhadas com o Facebook para melhorar suas experiências de anúncios e produtos do Facebook.”

Nada de novo

Alguns meios de comunicação e usuários confusos do WhatsApp compreensivelmente assumiram que isso significava que o WhatsApp finalmente passou dos limites, exigindo compartilhamento de dados sem alternativa. Fazendo que muitos até migrassem para concorrentes buscando por mais segurança.

Mas, na verdade, a empresa diz que a exclusão da política de privacidade simplesmente reflete como o WhatsApp tem compartilhado dados com o Facebook desde 2016  para a grande maioria de seus usuários agora com mais de 2 bilhões de usuários.

Entenda: WhatsApp já vende seus dados desde 2016 4
Mensagem avisando sobre o compartilhamento em 2016 – Via Techtudo

Quando o WhatsApp lançou uma grande atualização de sua política de privacidade em agosto de 2016, começou a compartilhar informações e metadados de usuários com o Facebook. Na época, o serviço de mensagens oferecia aos seus bilhões de usuários existentes 30 dias para optar por não participar de pelo menos parte do compartilhamento. Se você optou por não compartilhar na época, o WhatsApp continuará honrando essa escolha. O recurso está longe das configurações do aplicativo, mas você pode verificar se optou, ou não, por sair através da função “Solicitar informações da conta” na aba Configurações.

Enquanto isso, os mais de bilhões de usuários que o WhatsApp que chegaram desde 2016, juntamente com qualquer um que perdeu essa janela de pop-up, tiveram seus dados compartilhados com o Facebook todo esse tempo.

… bilhões desde 2016 tiveram seus dados compartilhados com o Facebook todo esse tempo

“Nossos Termos e Política de Privacidade atualizados fornecem informações adicionais sobre como tratamos seus dados e nosso compromisso com a privacidade”, escreveu o WhatsApp na segunda-feira. ” O WhatsApp faz parte das Empresas do Facebook e colabora com o Facebook para oferecer experiências e integrações com a família de aplicativos e produtos do Facebook”.

O Facebook já compartilha e continuará compartilhando seus dados

Nada disso impactou em nenhum momento no recurso de criptografia de ponta a ponta. Mensagens, fotos e outros conteúdos que você envia e recebe no WhatsApp só podem ser visualizados em seu smartphone e nos dispositivos das pessoas com quem você escolhe enviar mensagens. O WhatsApp e o próprio Facebook não podem acessar suas comunicações. Na verdade, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, afirmou repetidamente seu compromisso em expandir  as ofertas de criptografia de ponta a ponta como parte da união das diferentes plataformas de comunicação da empresa.

Mas isso não significa que ainda não haja um conjunto de outros dados que o WhatsApp possa coletar e compartilhar sobre como você usa o aplicativo. A empresa diz que coleta informações do usuário “para operar, fornecer, melhorar, entender, personalizar, apoiar e comercializar nossos Serviços”.

Na prática, isso significa que o WhatsApp compartilha muitas informações com o Facebook, incluindo informações da conta, como seu número de telefone, registros de quanto tempo e com que frequência você usa o WhatsApp, informações sobre como você interage com outros usuários, identificadores de dispositivos e outros detalhes do dispositivo, como endereço IP, sistema operacional, detalhes do navegador, informações sobre saúde da bateria, versão do aplicativo, rede móvel, idioma e fuso horário. Dados de transação e pagamento, cookies e informações de localização também são um jogo justo para compartilhar com o Facebook, dependendo das permissões que você concede ao WhatsApp em primeiro lugar.

“O WhatsApp é ótimo para proteger a privacidade do conteúdo de sua mensagem”, diz matthew Green, criptógrafo da Universidade Johns Hopkins. “Mas parece que a privacidade de tudo o que você faz está em jogo.”

O Facebook comprou o WhatsApp em 2014 e observou na época que ele e a plataforma de bate-papo da empresa Messenger operariam como produtos “autônomos”. A lenta mudança para a integração tem sido controversa internamente, e pode ter contribuído para a saída no final de 2017 e 2018, respectivamente, dos cofundadores do WhatsApp  Brian Acton e Jan Koum. Alguns meses depois de partir, Acton cofundou a Fundação Signal sem fins lucrativos. Ela mantém e disponibiliza o aplicativo Signal, que ficou famoso nas últimas semanas.

“Hoje a privacidade está se tornando uma discussão muito mais mainstream“, disse Acton em 2019. “As pessoas estão fazendo perguntas sobre privacidade, e querem segurança e privacidade incorporadas aos termos de serviço.”

Embora as revisões da política de privacidade do WhatsApp desta semana não alterem o comportamento do serviço de mensagens, é significativo que os usuários tenham pensado que a empresa estava oferecendo uma opção de opt-out todos esses anos que realmente não existia. Um nível de compartilhamento de dados com o qual alguns usuários discordam e até mesmo o medo já vem acontecendo. Dada a realidade de que o Facebook possui o WhatsApp há mais de uma década, esse esclarecimento parece para alguns como simplesmente acerto de contas com o inevitável.

“Não confio em nenhum produto feito pelo Facebook”

“Não confio em nenhum produto feito pelo Facebook”, diz Evan Greer, vice-diretor do grupo de direitos digitais Fight for the Future. “O modelo de negócio deles é  a vigilância. Nunca  se esqueça  disso.”

Vale lembrar também que, atualmente, grande parcela dos usuários do WhatsApp usam MODs como o WhatsApp GB, isso significa que, provavelmente, além do Facebook o desenvolvedor desses apps também conseguem acesso a suas informações.

Se você gostou do artigo, nos acompanhe no Google Notícias, Facebook, Twitter e Telegram para ter acesso imediato a tudo.
Avatar de André Luiz
André atua como jornalista de tecnologia desde 2009 quando fundou o Tekimobile. Também trabalhou na implantação do portal Tudocelular.com no Brasil e já escreveu para outros portais como AndroidPIT e Techtudo. É formado em eletrônica e automação, trabalhando com tecnologia há 26 anos.
SUGESTÕES PARA VOCÊ