O que é Web3, como funciona e exemplos reais de uso

A Web3 é a internet do futuro, onde não terá organizações por trás do seu controle e os usuários é que farão esse controle, entenda a respeito
Avatar de André Luiz
25/01/2024 às 22:09 | Atualizado há 4 semanas
o que e web3 destaque

A Internet está sempre evoluindo e mudando. No entanto, não são apenas os sites e as plataformas que entram e saem de moda; o próprio código em que a Internet é construída está constantemente em fluxo. Nos últimos anos, alguns futuristas da tecnologia começaram a apontar para Web3 como um sinal do que está por vir. Mas o que é exatamente Web3?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Web1 e Web2: Entendendo o Conceito

Vamos voltar. A primeira versão da Internet disponível publicamente para uso, a World Wide Web, é conhecida como Web 1.0. Datado do início dos anos 90, era composto em grande parte por páginas da web estáticas conectadas por hiperlinks.

A Web1 foi o primeiro esboço da Internet, que proliferou nos anos 1990 e início dos anos 2000. Muita da Web1 foi construída usando “protocolos abertos”, que são maneiras de trocar informações que podem ser usadas por qualquer pessoa, em vez de apenas uma entidade ou organização.

É difícil de acreditar, mas o Google veio um pouco depois e não foi eles que inventaram os buscadores de internet. O Yahoo! foi o pioneiro das buscas e por muitos anos a página mais acessada da então internet Web1.

Yahoo é um exemplo da Web1
Página do Yahoo de 1999, exemplo do que era a Web1

Já a Web2 surgiu por volta de meados dos anos 2000, quando uma nova safra de empresas de Internet – como Facebook, Twitter e Wikipedia – capacitou os usuários a criar seu próprio conteúdo.

No entanto, essas empresas monetizavam a atividade e os dados do usuário vendendo-os para anunciantes, ao mesmo tempo em que mantinham o controle sobre decisões proprietárias sobre funcionalidade e governança.

O que é Web3?

Então veio a Web3. A ideia de uma nova Internet descentralizada construída em blockchains, que são registros distribuídos controlados coletivamente pelos participantes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - OTZ

Foi um termo cunhado pelo cientista da computação Gavin Wood. Devido à natureza coletiva dos blockchains, se e quando a Web3 chegar plenamente, em teoria, isso sinalizará uma nova era da Internet, onde o uso e o acesso são controlados por redes administradas pela comunidade, em vez do atual modelo centralizado no qual algumas corporações controlam a Web2.

Video explicando o que é a Web3

Se você entende a língua inglesa, segue abaixo um vídeo que dá uma breve explicação do que é a Web3

YouTube video

As Tecnologias por Trás da Web3

A Web3 descreve como a Internet poderia ser construída em novos tipos de tecnologia. Aqui estão as três principais:

  1. Blockchain: Uma blockchain é um registro digitalmente distribuído e descentralizado que existe em uma rede de computadores e facilita o registro de transações. À medida que novos dados são adicionados a uma rede, um novo bloco é criado e anexado permanentemente à cadeia. Todos os nós na blockchain são então atualizados para refletir a mudança. Isso significa que o sistema não está sujeito a um único ponto de controle ou falha.

  2. Contratos Inteligentes: Contratos inteligentes são programas de software que são automaticamente executados quando condições especificadas são atendidas, como termos acordados por um comprador e um vendedor. Contratos inteligentes são estabelecidos em código em uma blockchain que não pode ser alterada.

  3. Ativos Digitais e Tokens: Estes são itens de valor que existem apenas digitalmente. Eles podem incluir criptomoedas, stablecoins, moedas digitais de bancos centrais (CBDCs) e NFTs (tokens não fungíveis). Eles também podem incluir versões tokenizadas de ativos, incluindo coisas reais como arte ou ingressos para shows ou eventos esportivos.

Como Web3 é Diferente de Web2?

Na era da Web2, o controle – sobre transações, conteúdo e dados – é centralizado nas corporações de tecnologia. Na teoria, isso mudará com a chegada da Web3. Os evangelistas acreditam que na era da Web3, os usuários terão o poder de controlar suas próprias informações sem a necessidade dos intermediários que vemos hoje. Web3 pode mudar como as informações são gerenciadas, como a Internet é monetizada e até mesmo, talvez, como as corporações baseadas na web funcionam.

Exemplos de Web3 no Mundo Real

O número de transações suportadas pela Web3 ainda está crescendo. Aqui estão quatro exemplos que foram observados nas Tendências Tecnológicas da McKinsey para 2023:

  1. Em novembro de 2022, o JPMorgan Chase fez sua primeira transação blockchain transfronteiriça, envolvendo depósitos tokenizados em dólares de Cingapura e ienes japoneses.

  2. Securitize, uma empresa de valores mobiliários de ativos digitais, fez parceria com a empresa global de investimentos KKR para lançar um fundo tokenizado emitido na blockchain Avalanche.

  3. 100 Thieves, uma marca de esports e estilo de vida, ofereceu um NFT de um colar de diamantes aos fãs se eles criassem uma carteira digital na plataforma dentro de 75 horas.

  4. Depois de adquirir o estúdio Web3 RTFKT em 2021, a Nike lançou sua própria plataforma Web3 em 2022 chamada .Swoosh e desde então ofereceu NFTs baseados em blockchain aos clientes.

Web3 é o Mesmo Que o Metaverso?

Não exatamente. Web3 refere-se a bancos de dados descentralizados e arquitetura de sistemas, enquanto o metaverso é um novo paradigma de computação e networking. Ambos podem suceder o que experimentamos como a internet hoje, mas ainda há um longo caminho a percorrer antes que isso aconteça.

Preocupações em Torno da Web3

As tecnologias Web3 já estão sendo adotadas por pioneiros da tecnologia. Mas os primeiros adotantes da Web3 enfrentam vários desafios, com mais prováveis de surgir à medida que as ferramentas habilitadas para Web3 se tornam mais difundidas. No momento, os desafios incluem:

  1. Regulação em evolução: As autoridades estão desenvolvendo suas abordagens para governar questões como proteção ao consumidor e investidor, legalidade e aplicabilidade de contratos baseados em blockchain e padrões de conheça seu cliente e anti-lavagem de dinheiro.

  2. Proposta de valor e experiência do usuário: Em comparação com os produtos Web2, que foram aprimorados ao longo de duas décadas de desenvolvimento, a Web3 possui padrões relativamente pobres de experiência do usuário.

  3. Proteção ao consumidor: Diante das recentes falhas de vários projetos Web3, a proteção ao consumidor e ao investidor está se tornando um ponto focal para reguladores e o público em geral.

Web3 não é uma solução para todos os problemas que assolam a Web2. Na verdade, provavelmente teremos que trabalhar mais para resolver os mesmos problemas antigos de novas maneiras necessárias por esta nova geração da internet.

Para saber mais sobre as Práticas de Serviços Financeiros, Risco & Resiliência, Estratégia & Finanças Corporativas e Tecnologia, Mídia & Telecomunicações, e verificar as oportunidades de emprego relacionadas à Web3 se estiver interessado em trabalhar na McKinsey.

Conclusão

A evolução da Web1 para a Web2 foi marcada por uma mudança significativa na maneira como usamos a Internet. Com a Web3, estamos diante de uma mudança semelhante. Embora ainda estejamos nos estágios iniciais dessa evolução, é claro que a maneira como interagimos com a Internet e uns com os outros online está prestes a mudar novamente.

A Internet descentralizada que a Web3 promete pode ser a chave para abordar algumas das questões de privacidade e controle que surgiram com a Internet centralizada da Web2. No entanto, como com qualquer nova tecnologia, também existem preocupações e desafios a serem enfrentados. À medida que continuamos a explorar o potencial da Web3, será crucial garantir que ela seja implementada de uma maneira que beneficie todos os usuários da Internet.

Se você gostou do artigo, nos acompanhe no Google Notícias, Facebook, Twitter e Telegram para ter acesso imediato a tudo.
Avatar de André Luiz
Fundador e editor chefe da Tekimobile Midia. Além de empreender, trabalhou 20 anos com eletrônica e telecom até que decidiu se dedicar 100% na produção de conteúdo.
SUGESTÕES PARA VOCÊ